Em geral as pessoas começam seus projetos pelos armários dos dormitórios e pelo projeto da cozinha, sabem que vão gastar uma boa quantia nisso e que o tempo de execução e entrega é grande.

Como esta fase é bastante antecipada ao momento da mudança, muitos detalhes são esquecidos e muitos são os lamentos futuros: “por que não pedi mais gavetas aqui” ou “poderia ter feito este armário mais profundo”, e coisas do gênero.

Resta sempre uma adequação e um projeto complementar para ter certeza de que todo espaço possível foi utilizado.

Portas:

– Armários sem portas ou com portas de correr. Se houver essa possibilidade em seu projeto, escolha essa opção.

– As portas dos guarda-roupas ocupam espaço, e encarecem a marcenaria. Na produção de um closet, mesmo que pequeno, temos maior volume “armazenável” e menor gasto com a estrutura em si. Há muitas empresas que fornecem equipamentos em metal, aramados ou chapa que permitem montar um closet em horas, bem como portas de correr que resolvem o isolamento do espaço. Portas transparentes facilitam enxergar os guardados.

Armários x Paredes:

– É preciso avaliar cada projeto para saber se vale a pena ocupar todas as paredes de um ambiente com armários. Há casos em que mais vale reservar um dormitório todo para closet e usá-lo com estruturas simples de araras, gavetas volantes, espelhos, banqueta do que rodear o quarto com armários e portas e ter a impressão de que se está dormindo numa cripta.

Dimensões dos nichos:

• A estatura das pessoas e o tipo de roupa determinam a altura do cabideiro.

• Ternos cabem em nichos com altura de 1,20 a 1,30 m de altura.

• Calças precisam de altura de 70 cm.

• Gavetas deslizantes com 10 cm de altura acomodam camisas dobradas.

• A sapateira precisa de 34 cm de profundidade, com alturas diferentes para botas, sandálias e sapatos.

• Se for funda as corrediças facilitam o acesso para a parte de trás.

06 07 08

(fonte: organizesuavida.com.br)