AmareloOuroPor Thais Decoussau

Para mães & madrinhas

Amo Noivas, Madrinhas e convidadas, Moda 26 de junho de 2014

Fazia tempo que não mostrava aqui os vestidos lindos de festa que a Rosa Clará (clique) também desenha para mães e madrinhas! Na época do meu casamento, o Atelier Blanc by Esposa (onde comprei meu vestido) fica ao lado da Rosa Clará e eu sempre olhava os vestidos de festa de lá.. são lindos!!! Por isso, hoje resolvi fazer um post para mostrar algumas das opções para mães, madrinhas e convidadas se inspirarem!!!

Algumas opções com estampas super delicadas ficariam lindas para casamentos ao ar livre, ou na praia … acho lindo!

vestido_festa_rosa_clara vestido_festa_rosa_clara_casamento_praia vestido_festa_rosa_clara_casamento_praia1 vestido_festa_rosa_clara_praia vestido_madrinha_rosa_clara vestido_madrinha_rosa_clara1 vestido_mae_noiva_rosa_clara vestido_mae_noivo_rosa_clara

Diabetes Gestacional, como cuidar?!

Amo Mães, Nutrição by Gabriela Ghedini

Hoje vamos falar da Diabetes Gestacional. Importante para gestantes que estão com os sintomas ou não para que possam estar atentas e buscar opinião profissional, principalmente quando os primeiros sintomas aparecem! Tudo que se descobre no inicio é melhor não é mesmo!? Assim evita-se problemas para o bebê e para a mamãe!!!

Primeiramente, o que seria Diabetes Mellitus (DM)?

É uma disfunção metabólica crônica que se caracteriza pelo aumento do nível de açúcar no sangue e excede os valores de normalidade. A glicose é proveniente dos alimentos que consumimos, principalmente dos carboidratos (pães, massas, biscoitos, farinhas, bolos, batata, mandioca, arroz, mandioquinha). O pâncreas é um órgão que produz a insulina, hormônio que transporta a glicose do sangue para dentro das células, onde é utilizada para fornecer energia. A diabetes ocorre quando a glicose não entra na célula por ausência ou falha da insulina, consequentemente acumulando-a no sangue.

12

 

O que é Diabetes Gestacional?

Pode ser pré-existente (diabetes tipo 1 ou 2), ou pode ser diagnosticada pela primeira vez na gravidez. Normalmente manifesta-se depois da 20 – 24 semanas de gestação, momento em que placenta cresce e produz altas concentrações de hormônios que bloqueiam à ação da insulina, consequentemente aumentando o nível de glicose no sangue.

 

Fatores de Risco:

• Idade superior a 25 anos;

• Obesidade ou ganho excessivo de peso na gravidez atual;

• Excesso de peso antes da gestação (Sobrepeso ou Obesidade);

• Deposição central excessiva de gordura corporal;

• Falta de atividade física, stress e fumo;

• Consumo excessivo de doces e carboidratos;

• Histórico familiar de diabetes ( de 1⁰ grau);

• Baixa estatura (<150cm);

• Crescimento excessivo do bebê (feto),  hipertensão ou pré-eclâmpsia na gravidez atual;

• Antecedentes obstétricos de morte fetal ou neonatal, ou de diabetes gestacional.

 

Como saber se tenho DMG?

Muitas mulheres não têm sinais ou sintomas, por conta disso todas as grávidas devem realizar o teste entre 24α e 28 α semana. Alguns casos aconselha-se a realização do teste na primeira visita pré-natal: grávidas acima do peso, história anterior de DMG ou antecedente familiar. O teste é chamado de Teste de Tolerância a Glicose via oral, o qual analisa os níveis de glicose no sangue tanto antes e depois de beber um líquido açucarado.

 

Possíveis sintomas:

Aumento da sede e micção (urina); Fadiga (cansaço o tempo todo); Visão turva; Infecções da bexiga, vagina ou pele, inchaço, vômitos com grande frequência.

 

Consequências:

– Aumenta risco para parto prematuro;

– Pré- eclampsia ou hipertensão arterial;

– Aumento do peso e tamanho fetal;

– Desenvolvimento de diabetes na mãe pós-parto;

– Hipoglicemia fetal pós-parto;

– Maior chance para cesariana;

– Morte Fetal quando descontrolada.

 

Como tratá-la?

Dieta controlada e equilibrada associada à prática de atividade física bem acompanhada. O seu médico Ginecologista monitora a evolução e também deverá encaminha lá para um especialista, Endocrinologista e Nutricionista.

A Dra. Gabriela Ghedini é nutricionista – CRN 3- 24422, especialista pela Escola Paulista de Medicina e Nutricionista da Clínica Genesis (Av Ibirapuera, n 2315 8 andar. Tel: 5083-4933)

A Música Certa para cada local e horário por Rita del Chiaro

Amo Noivas, Dicas de Ouro

Recebi esse texto com dicas da maestra Rita Del Chiaro, do Coral Del Chiaro (clique) que achei ótimo!!! Está cheio de dicas para as noivinhas que estão começando a pensar nas músicas da cerimônia.

06

A escolha das músicas de casamento sempre envolve uma série de aspectos, tornando-se um dos momentos mais difíceis para os noivos. Por isso, Rita Del Chiaro, formada em música pela USP e diretora do Coral Del Chiaro, preparou algumas dicas para orientar vocês, noivos, na escolha das músicas da cerimônia. O repertório é fundamental para tornar o momento ainda mais inesquecível.

“Se seu casamento é em igreja, verifique as normas do local e a quantidade de entradas e músicas permitidas para a cerimônia. Caso seja em sítio ou no próprio buffet, você tem mais liberdade para escolher as músicas e, assim, fazer as entradas de sua preferência.

Quando sua igreja é grande, sugerimos uma formação maior de músicos para que o som fique bem impactante. Normalmente em igrejas como catedrais e basílicas pedem 20 vozes ou mais. Os clarins podem ser empregados aos pares: dois, quatro, seis ou mais, dependendo do glamour que a noiva pretende ter.

Até mesmo o horário do casamento pode implicar em uma formação diferente.

Os realizados pela manhã, por exemplo, sugerem músicas mais suaves com instrumentos de cordas, flauta e teclado, para valorizar o cenário bucólico e o silêncio do local. Pode-se também usar as vozes solistas, soprano e tenor. Já para o período da noite, em que tudo é mais brilhante na decoração e na iluminação do local, a música pode também acompanhar o cenário com um grande coral e instrumentos mais fortes, como metais e clarins para o anúncio da entrada da noiva.

Apenas lembre-se que quanto mais entradas você colocar, mais tempo vai durar a cerimônia: um casamento com oito músicas dura em média uma hora. Já um casamento com 12 músicas vai durar cerca de uma hora e meia, tempo muito longo para convidados e, principalmente, para as crianças. Use o bom senso e, caso não consiga usar todas as músicas que gostaria na cerimônia, peça ao coral que toque algumas na sala de espera ou que o DJ ou a banda contratada as toque na festa. Uma boa dica também é usá-la no momento de entrar no salão de recepção.

Cada momento pede uma música de cerimônia adequada. Por isso, é importante verificar antes de assinar o contrato que tipo de “pacote” deve ser fechado para o que você deseja. Lembre-se que esse pacote vai influenciar bastante na definição das músicas.”