AmareloOuroPor Thais Decoussau

África do Sul by Teresa Perez Tours – safáris

Amo Noivas, Lua-de-mel 8 de janeiro de 2014

Para encerrar a nossa série de posts sobre a África do Sul, não poderíamos deixar de falar dos safáris!!

O ponto mais conhecido na África do Sul para os safáris é o Kruger Park. Porém, há uma série de outras opções de lugares para vivenciar esta experiência – ideais para quem tem menos tempo de viagem, e não quer se deslocar até o norte do país. Abaixo, mostramos algumas destas opções, além do Kruger, claro.

Antes de mais nada, vale lembrar que os safáris são conduzidos por dois especialistas. O tracker localiza os animais. Nenhum bicho, mesmo ao longe ou camuflado nos arbustos, escapa de seu olhar apurado. O ranger conduz o jipe. A cada animal apontado pelo colega, ele freia o veículo e dá uma aula completa sobre a espécie em questão. Não há curiosidade que não saiba esclarecer. Rangers e trackers conhecem a savana como ninguém.

200259702-001

Os caçadores do passado cunharam a expressão big five para classificar os animais mais temidos da África – o rinoceronte, o elefante, o leão, o búfalo e o leopardo. Felizmente, eles já não são caçados. Mesmo assim, a expressão permanece. Não há emoção maior do que conseguir fotografar – bem de perto – todos os big five num dia de safári.

big five

 

Por isso, se você quer uma pitada de aventura em sua lua de mel, aqui vão alguns lugares e dicas da Teresa Perez Tours (clique aqui) para ajudar na escolha do seu roteiro:

A reserva mais célebre da África do Sul é o Kruger Park, na fronteira com Moçambique. Essa imensa área de savana foi transformada em parque no século 19 por Paul Kruger, o presidente da época (re-eleito por 4 vezes), para deter a matança de animais. Decisão acertada. De extraordinária riqueza, a vida selvagem do Kruger Park garante experiências emocionantes, sensações inesquecíveis.

Safa¦üris na regia¦âo do Kruger Park

O safári, na forma que o conhecemos, deve muito a Paul Kruger – no final do século 19, preocupado com o ritmo acelerado do extermínio dos animais nas savanas africanas, Paul resolveu criar uma reserva onde leões, rinocerontes e leopardos fossem preservados da matança desenfreada. Atualmente, o imenso Kruger Park, na fronteira com Moçambique, é a mais famosa e procurada área para expedições em todo o continente africano. A extraordinária riqueza da vida selvagem presente nas suas planícies e a infraestrutura que garante aventura e conforto ao visitante ajudam e muito para essa condição. Há diversos tipos de expedições – motorizadas a bordo de Land Rovers, voando em balões, montadas em elefantes e cavalos ou mesmo navegando em canoas. De qualquer maneira, os safáris são sempre experiências emocionantes, impossíveis de se esquecer.

Se sua opção for conhecer a famosa reserva, aqui vão alguns Lodges que valem a pena:

- Camp Jabulani 

Além das tradicionais expedições em jipe, o Camp Jabulani organiza safáris em lombo de elefante. Com docilidade, os grandes animais levam os aventureiros para desbravar a savana. Lá do alto, é possível ver as girafas quase olho no olho. O Camp Jabulani conta com apenas seis suítes e fica na região das Montanhas Drakensberg, que também podem ser exploradas de balão.

Camp Jabulani

– Chitwa Chitwa

O Chitwa Chitwa oferece seis amplas suítes individualmente decoradas, que contam com decks e piscinas privativas com vista para o lago – utilizado como bebedouro natural pelos animais. Localizado na reserva Sabi Sand, o requintado lodge oferece safaris a pé e visitas ao vilarejo de Dixie Shangaan. Oferece ainda atividades para crianças de todas as idades.

chitwa-chitwa

– Royal Malewane

O exclusivo Royal Malewane ofereço serviço personalizado e é um espetacular ponto de observação dos animais do Kruger Park. Suas seis suítes, elegantemente decoradas, possuem decks e piscinas privativas. Atividades como passeios de balão, safaris a cavalo e voos de helicóptero são apenas algumas das opções oferecidas pelo hotel.

Royal Malewane

– Sabi Sabi Earth Lodge

Há um ponto da Reserva Sabi Sand em que a terra se eleva num pequeno monte. Ali dentro, quase invisível na paisagem, foi esculpido o Sabi Sabi Earth Lodge. Um corredor de entrada traspassa esse monte e leva às suítes, na outra extremidade, com imensas paredes de vidro voltadas para a savana. É uma obra-prima arquitetônica.

Sabi Sabi Earth Lodge_Amber Presidential Suite

– Ulusaba Rock Lodge

O lodge Ulusaba se divide em dois. No primeiro, as suítes se espalham pelo alto de um monte, com vistas espetaculares da savana e do horizonte. No segundo, as suítes estão no sopé da montanha, à beira de um lago habitado por hipopótamos. No fim do dia, depois do safári, os melhores programas são relaxar com uma massagem no spa e observar as estrelas pelo telescópio do lodge.

Ulusaba Rock Lodge

– Singita Lebombo Lodge

As suítes do Singita Lebombo Lodge estão no alto de uma pequena colina, logo acima do Rio N’wanetsi. Ao estilo de um moderno loft, elas são feitas basicamente de madeira e vidro. Para aqueles que quiserem experimentar uma noite sob as estrelas, cada suíte tem uma cama montada no deck externo. Os safáris, no Kruger, são excepcionais.

Singita Lebombo Lodge

Boma Dinner_Singita Lebombo

Safáris na região de Cape Town

Os safáris mais conhecidos da África do Sul são os do Kruger Park, mas as espécies clássicas da fauna africana também podem ver vistas – de perto, livres na natureza – na região de Cape Town. A reserva Sanbona, a leste do Cabo, abriga elefantes, búfalos, rinocerontes, hienas… Sua grande estrela, porém, é o leão branco, raríssimo na natureza. Nos safáris da reserva Bushmans Kloof, a norte, não há prêmio maior do que deparar com a zebra do Cabo e o leopardo do Cabo. Eles correm sério risco de extinção e, como os nomes sugerem, existem apenas nesse canto da África. Tão emocionantes quanto os safáris são os desenhos deixados milhares de anos atrás pelo povo san, os antigos habitantes da região. As cavernas e rochedos de Sanbona e Bushmans Kloof conservam intrigantes exemplares de pintura pré-histórica. Em tinta cor de ocre, as imagens retratam figuras humanas, divindades e feras africanas.

Safa¦üris na regia¦âo de Cape Town

Como hospedagem, a indicação vai para o Bushmans Kloof – localizado fica entre as Montanhas Cederberg, famosas por curiosas “estátuas” de arenito moldadas pela natureza e por pinturas rupestres deixadas pelos antigos habitantes da região. Numa espécie de oásis verdejante dessa região, ficam as suítes e a villa do Bushmans Kloof. De lá, saem safáris em jipe, passeios em canoa e aventuras em bicicleta.

Bushmans_Kloof

Safáris na região da Rota Jardim

Como se fosse pouco ser admirada pelas paisagens que combinam praia, montanha, floresta e vinhedo, a Rota Jardim também tem um quê de África selvagem. Em parques que ficam a poucos quilômetros do Índico, vagueiam os grandes animais de safári. Nas reservas Shamwari e Kwandwe, na região de Port Elizabeth, os jipes passam bem perto de leões, guepardos, rinocerontes, hipopótamos, búfalos… As expedições são feitas nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, quando o sol é mais suave e as feras saem para caçar. Em outro ponto da costa, Knysna abriga um parque só de elefantes. Os visitantes podem acaricia-los sem medo. Para as crianças, a aventura é dar leite, em mamadeira, na boca dos filhotes. Em que outro lugar do mundo, a não ser na Rota Jardim, seria possível avistar no mesmo dia uma baleia e um leão livres na natureza?

Safa¦üris na regia¦âo da Rota Jardim

Não deixe de conhecer o Kwandwe. Dos lodges Kwandwe, partem safáris que percorrem uma imensa reserva natural às margens do Rio Great Fish à procura de leões, leopardos, rinocerontes… Embora se localizem em quatro pontos diferentes da reserva, os lodges sempre oferecem vistas panorâmicas da planície verdejante. As suítes são espaçosas, cada uma com sua decoração particular, perfeitas para as famílias.

South Africa

Safáris na região do Deserto do Kalahari

O Deserto do Kalahari se espalha pelos territórios de Botswana, Namíbia e África do Sul. Graças às chuvas relativamente frequentes, a porção sul-africana é a mais favorável à vida. É conhecida, por isso, como Kalahari Verde. Quando chega setembro, a primavera tinge a aridez vermelha das dunas com o verde dos gramados e as cores vivas das flores.

As planícies são habitadas por guepardos, girafas, zebras, antílopes… Os rinocerontes-negros e os leões de juba preta, raros, também são encontrados lá. Os suricatos, aqueles pequeninos e adoráveis mamíferos que se erguem sobre a cauda e as duas patas traseiras para observar ao longe, vivem apenas no Kalahari.

Os safáris são sempre bem-sucedidos no deserto, já que a vegetação escassa permite localizar os animais com extraordinária facilidade. Quando o sol se põe, os olhos são atraídos para cima. É difícil encontrar no mundo céu que tenha estrelas mais luminosas do que as do Kalahari.

Safa¦üris na regia¦âo do Deserto do Kalahari

Os lodges do Tswalu são feitos de pedra, argila e palha, os elegantes bangalôs do Tswalu ficam aos pés de uma montanha e com uma vista do Kalahari que chega até o horizonte. Experiência inesquecível é dormir do lado de fora do bangalô, sob o céu brilhante do deserto. O hotel oferece telescópio para ver melhor as estrelas e os planetas. As crianças contam com uma série de atividades especiais.

Tswalu

(imagens: teresaperez.com.br)

 

assinatura_tpt (3)